Género-fluido

From Nonbinary Wiki
Jump to navigation Jump to search
This page is a translated version of the page Genderfluid and the translation is 54% complete.
Outdated translations are marked like this.
Genderfluid/pt
« Apercebi-me de que sou uma mulher ou algo próximo de ser um homem, mas não exatamente lá. Onde eu estou nessa escala varia. »
Alex, 25 (Género-fluido)[1]

Género-fluido, também conhecido como género fluido, é uma identidade englobada pelos termos guarda-chuva multigénero, não-binárie e transgénero. Indivíduos que são género-fluido têm diferentes identidades de género em períodos diferentes. A identidade de género de um indivíduo género-fluido pode ser constituída por vários géneros de uma só vez e depois alterar-se para nenhum, ou fluir entre identidades de género singulares, ou pode até ser alguma combinação destas experiências. Para algumas pessoas género-fluido, estas mudanças acontecem diversas vezes ao dia e para outras, mensalmente ou ainda menos frequentemente. Algumas pessoas género-fluido fluem regularmente entre apenas uns quantos géneros específicos, podendo até só serem dois (tal pode incluir-se na identidade bigénero), enquanto outras nunca sabem que identidade terão de seguida.

Para ser fácil de ler, este artigo utiliza a palavra "género-fluido" para se referir a todas as pessoas que experienciam fluidez de género. Algumas pessoas que experienciam fluidez de género não usam a palavra "género-fluido" consigo mesmas. Algumas pessoas com géneros fluidos identificam-se como género queer, bigénero, multigénero, ou poligénero. É importante entender que cada pessoa tem o direito de decidir o que chamar à sua identidade de género.

História

A palavra "género-fluido" (genderfluid em inglês) é usada desde a década de 1990. Nas décadas de 1990 e 2000, talvez tenha sido mais comum utilizarem-se outros termos, como bigénero (bigender em inglês) ou género queer (genderqueer em inglês). Antes disso, talvez pessoas género-fluido se identificassem como cross-dressers.

The word "genderfluid" has been in use since at least the 1990s, albeit with a somewhat different meaning. Transgender advocate Michael M. Hernandez wrote in 1996:

« Gender-fluid means that their gender identity and/or expression encompass both masculine and feminine. Gender fluidity is becoming commonly known as transgenderism: the ability to transcend gender, whether biological, emotional, political, or otherwise; truly mixing male and female.[2] »

In the 1990s and 2000s, it might have been more common for genderfluid people to call themselves bigender or genderqueer. Earlier than that, they may have called themselves cross-dressers.

A definição mais antiga para o termo "género fluido" existente no Urban Dictionary foi adicionada em 2007.[3]

Em 2010, a comunidade género-fluido foi criada no LiveJournal.[4]

In 2012, JJ Poole (tumblr user thoughtstoberemembered) created what would become the most widely-used genderfluid flag.[5][6]

Em 2014, "género fluido" foi um dos 56 géneros disponibilizados aos utilizadores do Facebook.[7]

Em 2015, o Dictionary.com adicionou uma definição para a palavra "género-fluido,"[8] que a classificava como um adjetivo significando "denotando ou relacionando-se com uma pessoa cuja identidade de género ou expressão de género não é fixa e altera-se ao longo do tempo dependendo da situação." Listava como sinónimos as palavras génerofluido, género fluido, e género-flexível (gender-flexible em inglês).[9]

In 2018, Washington state began to allow "X" gender markers on official documents[10], with the law stating that
« "X" means a gender that is not exclusively male or female, including, but not limited to, intersex, agender, amalgagender, androgynous, bigender, demigender, female-to-male, genderfluid, genderqueer, male-to-female, neutrois, nonbinary, pangender, third sex, transgender, transsexual, Two Spirit, and unspecified.[11] »

Fatores que influenciam a fluidez de género

« Às vezes, quando me sinto de certa forma, tipo se estiver masculine no momento, eu penso para mim próprie, "E se eu não mudar? E se eu não for género-fluido mas sim um homem trans?" Mas eu acabo sempre por mudar, e é fixe e estranho. Simplesmente acho que tenho sentimentos mistos quanto a isto. É uma coisa boa ou má? Não sei. »
Starling (Género-fluido)[1]

Normalmente, a fluidez de género acontece por si só, então uma pessoa sente-se como, digamos, uma mulher a certa altura, em vez de escolher ser uma mulher em tal altura.[12] Algumas pessoas género-fluido consideram que nem fatores externos, nem fatores internos tendem a influenciar as variações das suas identidades de género. Estas consideram que a sua fluidez de género é imprevisível e acontece aleatoriamente. Já outras pessoas género-fluido consideram que os seus géneros mudam dependendo da situação e são influenciados por fontes externas ou internas. Algumas movem-se de género em género num ciclo regular, semelhante a um ciclo lunar, ou de forma sincronizada com o seu ciclo menstrual. Outras pessoas género-fluido são, por vezes, capazes de usar a sua força de vontade para guiar o seu género de forma a mudar de determinada maneira e/ou à altura que quiserem.

Ciclo menstrual e o seu efeito na fluidez de género

Esta correlação ainda é incerta, mas mudanças de género ligadas ao ciclo menstrual poderão ser causadas pelo facto de os níveis hormonais aumentarem e diminuírem naturalmente durante a menstruação. Contudo, também é possível alguém acreditar erradamente que a sua identidade de género se altera com o ciclo menstrual, e a única forma de ter a certeza é ao criar e manter um diário. Diário esse que poderá funcionar assim:

Data Identidade de género naquele dia Dia no ciclo menstrual
09-03-2013 Homem (todo o dia) 14
10-03-2013 Homem, depois mulher 15

Quando forem coletados dados suficientes, quaisquer padrões existentes deverão ser percetíveis. Esses padrões poderão incluir sentir-se como um dado género durante um dado dia no ciclo ou sentir-se como um dado género quando uma dada hormona, como o estrogénio, está no seu máximo ou no seu mínimo. Tabelas semelhantes a esta podem ser usadas para rastrear se a identidade de género está relacionada com um ciclo diferente.

Em 2012, Case e Ramachandran elaboraram um relatório sobre os resultados de um inquérito a pessoas género-fluido que se referiam a si mesmas como bigénero e experienciavam uma alternância involuntária entre estados femininos e masculinos. Case e Ramachandran deram a esta condição o nome "Incongruência de género alternante (IGA)." Case e Ramachandran criaram a hipótese de a alternância de género poder refletir um grau atípico (ou profundidade) de alternâncias hemisféricas, e uma correspondente supressão de mapas corporais apropriados no lobo parietal. Eles declararam "nós levantamos a hipótese de que a monitorização do ciclo nasal, índice de rivalidade binocular, e outros indicadores de alternâncias hemisféricas irá revelar uma base fisiológica para os relatos subjetivos da alternância de género dos indivíduos com IGA... Baseamos a nossa hipótese em associações ancestrais e modernas entre os hemisférios esquerdo e direito e os géneros masculino e feminino."[13][14][15] Case e Ramachandran acreditam que quando pessoas bigénero sentem uma alteração entre os seus géneros, esta pode estar relacionada com uma mudança em como usam partes dos seus cérebros. A mudança de género também pode ter a ver com o ciclo natural do corpo, especificamente com uma válvula no nariz que troca de lado a cada dois dias (o ciclo nasal). No entanto, esta teoria ainda não passa de uma hipótese e requer mais estudos para ser confirmada.

Expressão de género

Pessoas género-fluido costumam sentir necessidade de alterar a sua expressão de género para corresponder ao seu género naquele momento. Isto pode significar ter diferentes tipos de roupa nos seus armários, de modo a que se possam vestir como mulher, homem, ou de outro jeito, dependendo de como se sentem naquele dia. Isto também pode significar alterar o seu formato corporal através de binding, packing, próteses de peito, ou tucking. Porém, em algumas situações, alterar a expressão de género não é possível. Tal pode dever-se ao facto de as mudanças de género acontecerem mais que uma vez por dia, porque a pessoa não se parece andrógina, ou porque não se sente segura a aparentar-se de certa forma nesta sociedade.

Pessoas género-fluido não têm que, obrigatoriamente, ser andróginas. Não necessitam ter uma cara, corpo, ou maneira de vestir ambígua.

Ter disforia de género, ou seja, um desconforto doloroso relacionado a como o corpo e papel social da pessoa não correspondem ao seu verdadeiro género, não é um requerimento para se ser género-fluido. Cada pessoa é diferente e experiencia fluidez de género à sua maneira. Algumas pessoas género-fluido sentem disforia de género às vezes ou constantemente. Algumas querem alterar os seus corpos e algumas passam por uma transição física para alcançar esse objetivo, o que pode incluir a toma de hormonas ou a cirurgia. Outras escolhem não transicionar porque só se sentiriam bem com qualquer mudança nos seus corpos quando estivessem num certo género e não noutros. Outras têm dificuldade em planear a trajetória que querem seguir com a sua transição, uma vez que os seus sentimentos costumam mudar.[16][17]

Algumas pessoas género-fluido pedem para ser chamadas por um nome diferente[17] e pronomes diferentes dependendo de qual o seu género no momento. Para pessoas que fluem entre apenas dois géneros, isto pode significar alternar entre dois nomes. Nomes esses que podem ser versões femininas e masculinas do mesmo nome[18] ou podem ser completamente diferentes.[19] Estas pessoas podem, também, adotar um nome neutro que funciona para elas a qualquer altura, ou em adição aos nomes referidos anteriormente, ou em vez deles.

Fluidez de género e o transtorno dissociativo de identidade

Pessoas género-fluido normalmente não consideram ter múltiplas identidades. A maioria das pessoas género-fluido consideram-se sempre a mesma pessoa, com os mesmos gostos e desgostos, porém com um género diferente. No entanto, algumas pessoas género-fluido alternam entre personas específicas quando o seu género muda, e cada persona tem os seus próprios gostos e desgostos. Isto não é o mesmo que ter transtorno dissociativo de identidade, que é uma perturbação caracterizada pela dissociação e pela existência de diferentes identidades num só corpo. O transtorno dissociativo de identidade é, frequentemente, causado por abuso traumático que acontece cedo na infância e, quase sempre, coexiste com a perturbação de stress pós-traumático (PSPT) ou com a perturbação de stress pós-traumático complexo (PSPT-C). A fluidez de género não é causada por abuso e não é mais comum nas pessoas com PSPT ou PSPT-C.

Sistemas múltiplos/plurais onde algumas identidades têm diferentes géneros não são automaticamente género-fluido. No entanto, uma identidade individual pode ser género-fluido.

Pessoas género-fluido notáveis

Dorian Electra em 2018.
Sand Chang at the 2017 National Transgender Health Summit

Ver o artigo principal: Pessoas não-binárias notáveis

Existem muitas mais pessoas notáveis cujo género não é binário. As seguintes são apenas algumas dessas que usam as palavras género-fluido ou género fluido para se descreverem.

  • Jonathan Rachel Clynch, (nascido a 1971) é um jornalista renomeado na Irlanda. "Um dos jornalistas mais famosos da RTE acabou de [em 2015] relevar ser 'género fluido,' e a resposta tem sido maioritariamente positiva. ... Ele, que tem ainda de fazer um anúncio público, disse aos seus patrões que deseja ser chamado de Jonathan Rachel e irá vestir-se como mulher às vezes. ... Clynch trabalha com a RTE há 16 anos, frequentemente aparecendo no segmento 'News at One' da Radio One. ... 'Ele tem sido aberto sobre isto há algum tempo e os amigos e família dele já sabiam. Ele está a passar por um processo agora e falará sobre isto quando estiver preparado e espera que toda a gente respeite isso.'"[20]
  • Bimini Bon Boulash (b. 1993) is a British drag artist known for appearing in RuPaul's Drag Race UK. In 2021 they tweeted that they are "fluid when it comes to gender."[21]
  • Sand C. Chang, PhD is a Chinese-American clinical psychologist and educator.[22] Dr. Chang is nonbinary, genderqueer, genderfluid, demiboy[23] and femme.[24] They are one of the authors of A Clinician's Guide to Gender-Affirming Care: Working with Transgender and Gender Nonconforming Clients.
  • Jonathan Rachel Clynch (b. 1971) is a well-known journalist in Ireland. As reported in the Daily Beast: "One of Irish broadcaster RTE’s best-known journalists just [in 2015] came out as 'gender fluid,' and the response so far seems wholly positive. ... The 44-year-old, who has yet to make a public statement, told his bosses that he wishes to now be known as Jonathan Rachel and would sometimes dress as a female. ... Clynch has worked with RTE for 16 years, often filling in on Radio One’s flagship 'News at One.' ... 'He has been open about it for a while now and his friends and family were all aware of his situation. He is going through a process at the moment and will speak about it in his own time and he hopes everyone will be respectful of that.'"[25]
  • Asia Kate Dillon (b. 1984) is an American actor known for playing Brandy Epps in Orange Is the New Black (2013) and Taylor Mason in Billions (2016). Dillon is nonbinary and genderfluid.[26]
  • Dorian Electra (b. 1992) is an American singer, songwriter, video and performance artist. Electra said, "Styling is so important to me as a genderfluid person, to be able to say “I’m a very flaming flammable guy”... it’s just very satisfying, ’cause that’s how I see myself, but I know it’s not necessarily how other people see me – they still call me ‘ma’am’ and stuff like that."[27]
  • Nikki Hiltz is an American mid-distance runner who came out in 2021, saying "The best way I can explain my gender is as fluid. Sometimes I wake up feeling like a powerful queen and other days I wake up feeling as if I'm just a guy being a dude, and other times I identify outside of the gender binary entirely."[33]
  • Jana Hunter is an American songwriter and musician who is trans and genderfluid.[34]
  • Dorian Electra (nascide em 1992) é ume cantore, compositore e artista Americane. "O estilo é muito importante para mim como pessoa género-fluido, poder dizer "eu sou um cara flamejante e inflamável" ... é muito satisfatório, porque é assim que eu me vejo, mas eu sei que não é necessariamente como outras pessoas me vêem - ainda me chamam 'senhora' e coisas assim."[35]
  • Bethany C. Meyers launched the fitness app for be.come, specializing in body-positive workouts. They also gave a TED talk on empowerment and body neutrality. Meyers is also bisexual, and wrote, "When I get comments about not being 'gay enough' it hurts. Aside from the way my marriage may look to others, I'm pretty gay. I'm attracted to women, I date women, I sleep with women, my friends are queer, I feel/think queer, I identity as gender fluid / non-binary, my partner the same."[36]
  • Ruby Rose (nascida em 1986) é uma atriz que ganhou os ASTRA Awards, GQ Australia, GLAAD Media Awards, e os Australian LGBTI Awards. "A 22 de julho de 2014, Rose revelou ser género-fluido, dizendo, "eu sou muito género-fluido e acordo a sentir-me meio género-neutro todos os dias." Esta revelação deu-se, aproximadamente, uma semana após ela ter lançado um pequeno filme titulado "Break Free," em que ela transiciona visualmente de uma mulher muito feminina para um homem bastante tatuado."[1]
  • SaSa Testa is the author of the autobiography Soy Sabrina, Soy Santiago: Género fluido y nuevas identidades (I am Sabrina, I am Santiago: Genderfluid and new identities). Testa is genderfluid.[38]
  • Hida Viloria (b. 1968) is a Latinx American writer and intersex and nonbinary rights activist, of Colombian and Venezuelan descent. Viloria is Founding Director of the Intersex Campaign for Equality, and author of the memoir Born Both: An Intersex Life. Viloria identifies as intersex and genderfluid.[44]

Personagens género-fluido ficcionais

Uma captura de ecrã da seleção de pronomes em Read Only Memories. Selecionar 'mais opções' permite-lhe escolher entre 'ze/zir', 'xe/xir', ou pronomes personalizados.

Ver o artigo principal: Géneros não-binários na ficção

Existem muitas mais personagens cujo género não é binário. As seguintes são apenas algumas das que são, especificamente, chamadas pelas palavras género-fluido ou género fluido, ou em canon, ou pelos seus criadores. Personagens nesta secção apresentam, pelo menos, uma expressão de género que varia, no caso de não serem chamadas de "género-fluido."

  • Brendan Chase. No fim da novela Freakboy, ê personagem principal, Brendan Chase identifica-se como género-fluido. O livro foca-se principalmente na transição delu e termina de uma forma triste, referente ao seu género.
  • Alex Fierro, da obra Magnus Chase and the Gods of Asgard de Rick Riordan, é uma personagem género-fluido que aparece no segundo livro e usa os pronomes ele/dele/-o e ela/dela/-a.
  • Tedd. El Goonish Shive inclui uma personagem principal que se identifica como género-fluido vários anos após o começo da banda desenhada. O autor Dan Shive disse que Tedd, tal como ele, sempre foi género-fluido mas não se apercebeu que existia uma palavra que descrevesse essa experiência nem que o conceito de se ser não-binárie existia até mais tarde na sua vida. A banda desenhada também inclui outras personagens LGBT, tal como tecnologia de metamorfose.
  • Kami / Porcelain. A versão 'New 52' de Secret Six introduz uma nova personagem, Kami / Porcelain, que é género-fluido e aparenta-se de forma masculina, feminina e andrógina.
  • Tattoo'd de Antonia Bea possui uma personagem intersexo e género-fluido.
  • TOMCAT. No videojogo Read Only Memories, a personagem TOMCAT usa os pronomes elu/delu/-e (equivalente ao singular they do inglês). Não é dito explicitamente no jogo que TOMCAT é não-binárie, porém, o artista e diretor John James disse, numa entrevista, que TOMCAT "é género-fluido."[45] O jogo também inclui outras personagens não-binárias, como ê robot Turing e ê protagonista, caso tal seja escolhido pelu jogadore.
  • Symptoms of Being Human stars Riley Cavanaugh, a closeted genderfluid teenager. Note: the book has some possibly triggering subjects, including child abuse, transphobic violence, bullying, and suicidal thoughts.[46]
  • In The Tiger's Watch by Julia Ember, the protagonist Tashi is genderfluid and uses singular they pronouns. The author notes that "Being misgendered and forced to change their appearance in order to hide is a source of conflict in the novel. It is not the central plot conflict, though."[47]
  • Sal in Mask of Shadows and Ruin of Stars, by Linsey Miller, is genderfluid.
  • Recurring character Puck/Owen Burnett in the 1994-1997 Disney show Gargoyles was confirmed to be genderfluid and polysexual by a 2014 interview with the creative team.[48]

Ver também

Referências

  1. 1.0 1.1 This quote is a snippet from an answer to the survey conducted in the year 2018. Note for editors: the text of the quote, as well as the name, age and gender identity of its author shouldn't be changed.
  2. Hernandez, Michael M. (1996). "Boundaries: Gender and Transgenderism". The Second Coming: A Leatherdyke Reader.
  3. http://www.urbandictionary.com/define.php?term=gender+fluid
  4. http://gender-fluid.livejournal.com/profile
  5. https://majesticmess.com/2018/12/20/interview-creator-of-the-genderfluid-flag/
  6. https://lostinthoughtspaceandfantasies.tumblr.com/post/28596790877/jaidynmarri-a-proposed-design-for-a-genderfluid
  7. Eve Shapiro, Gender circuits: Bodies and identities in a technological age. Unpaged.
  8. "New words added to Dictionary.com." May 6, 2015. Dictionary.com. http://blog.dictionary.com/2015-new-words/
  9. "Gender-fluid." Dictionary.com. http://dictionary.reference.com/browse/gender-fluid
  10. Jackman, Josh (5 January 2018). "Washington to recognise third gender in groundbreaking move". PinkNews. Retrieved 14 May 2020.
  11. "WAC 246-490-075: Changing sex designation on a birth certificate". Washington State Legislature. Retrieved 14 May 2020.
  12. Kat. http://bigender.livejournal.com/65619.html?thread=267859#t267859
  13. Case, L. K.; Ramachandran, V. S. (2012). "Alternating gender incongruity: A new neuropsychiatric syndrome providing insight into the dynamic plasticity of brain-sex". Medical Hypotheses 78 (5): 626–631. doi:10.1016/j.mehy.2012.01.041. PMID 22364652. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22364652
  14. "Bigender - Boy Today, Girl Tomorrow?". Neuroskeptic. April 8, 2012. http://neuroskeptic.blogspot.com/2012/04/bigender-boy-today-girl-tomorrow.html
  15. Stix, Gary (2012-04-20). "'Alternating Gender Incongruity' Causes Rapid Shifts Of Gender, Scientist Claims". The Huffington Post. http://www.huffingtonpost.com/2012/04/19/alternating-gender-incongruity_n_1438911.html
  16. http://genderfluidprobs.tumblr.com/post/37659220000/genderfluid-problem-28
  17. 17.0 17.1 Kat. "Hi I'm new." Bigender (blog/forum). http://bigender.livejournal.com/64281.html
  18. Leo/Leann. http://bigender.livejournal.com/65263.html?thread=269551#t269551
  19. DamianBella. http://bigender.livejournal.com/65619.html?thread=265811#t265811
  20. Tom Sykes, "A ‘Gender Fluid’ Journalist Comes Out To Irish Cheers." 2015-09-18. Daily Beast. http://www.thedailybeast.com/articles/2015/09/18/a-gender-fluid-journalist-comes-out-to-irish-cheers.html
  21. @biminibabes (21 January 2021). "My idea was originally to paint my body in the colours of the trans* flag because I wanted to celebrate the beauty of being Trans and non-binary. As a person that identifies as fluid when it comes to gender" – via Twitter.
  22. "Sand Chang". Trans Bodies, Trans Selves. Retrieved 6 April 2020.
  23. Kramer, Kaiya (11 December 2015). "Ep 69 Dr. Sand Chang Licensed Psychologist Interview". The Queer Life Radio. Retrieved 6 April 2020.
  24. Harrison, Christy (2 April 2018). "Food Psych #150: Disordered Eating & Gender Identity with Sand Chang". Retrieved 28 April 2020.
  25. Tom Sykes, "A ‘Gender Fluid’ Journalist Comes Out To Irish Cheers." 2015-09-18. Daily Beast. http://www.thedailybeast.com/articles/2015/09/18/a-gender-fluid-journalist-comes-out-to-irish-cheers.html
  26. Masters, Jeffrey (13 April 2017). "Asia Kate Dillon Talks Discovering The Word Non-Binary: 'I Cried'". HuffPost. Retrieved 23 April 2020.
  27. https://www.dazeddigital.com/music/article/44167/1/dorian-electra-new-song-video-flamboyant-interview
  28. "interview: Evan Greer". The Grey Estates. April 5, 2019. Retrieved May 12, 2020.
  29. "Evan Greer - Bio". evangreer.org. Retrieved 12 May 2020.
  30. Greer, Evan (23 February 2017). "Trump is bullying transgender kids because he thinks he can get away with it". the Guardian. Retrieved 12 May 2020.
  31. @evan_greer (Oct 11, 2017). "I love my life and I love myself. I love being gender fluid and I am happy with my body. I feel incredibly lucky to feel that way" – via Twitter.
  32. @evan_greer (Oct 11, 2017). "THREAD: as a gender nonconforming trans femme, every day is #NationalComingOutDay for me. Even in queer spaces, I must assert that I exist" – via Twitter.
  33. Hiltz, Nikki (June 20, 2021). "In coming out as trans, Nikki Hiltz is visible, vulnerable, and making track more inclusive". On Her Turf. Retrieved July 23, 2021.
  34. Hunter, Jana (10 April 2015). "What It's Like to Be a Female Musician When You Don't Identify as a Woman". Cosmopolitan. Retrieved 21 May 2020.
  35. https://www.dazeddigital.com/music/article/44167/1/dorian-electra-new-song-video-flamboyant-interview
  36. Braidwood, Ella (23 August 2018). "Bethany Meyers has penned a powerful message to her bisexual fans". PinkNews. Retrieved 1 April 2020.
  37. "Tear Down The Wall" music video released, watchtheswitch.tumblr.com, June 17, 2014
  38. Hadad, Camila (24 October 2018). ""Me dicen SaSa porque no me siento ni Sabrina ni Santiago: no soy ni hombre ni mujer"" ["Call me SaSa because I don't feel like Sabrina or Santiago: I'm neither man nor woman"]. Infobae (in Spanish). Retrieved 2 June 2020.
  39. 39.0 39.1 https://www.instagram.com/nicotortorella/
  40. "Nico Tortorella Opens Up About Sexuality & Gender Identity". Just Jared. 13 July 2019. Retrieved 1 April 2020.
  41. "American actor Nico Tortorella comes out as gender fluid". Gay Times. 2018-05-17. Retrieved 2018-05-19.
  42. Instagram bio
  43. "Alok Vaid-Menon Will Not 'Tone it Down'". www.advocate.com. 2019-08-28. Retrieved 2020-03-20.
  44. Viloria, Hida (7 April 2017). "If You Claim To Be Sex Positive, Then You Need To Be Intersex Positive". HuffPost. Retrieved 25 April 2020. As I write about in my memoir Born Both: An Intersex Life, I’m intersex and gender-fluid (meaning my gender identity and expression changes)
  45. Jesse Tannous, "Read Only Memories Director discusses LGBTQ themes in gaming." June 20, 2015. The Examiner. https://web.archive.org/web/20151023215026/http://www.examiner.com/article/read-only-memories-director-discusses-lgbtq-themes-gaming
  46. "Symptoms Of Being Human Summary". SuperSummary. Retrieved 3 October 2020.
  47. "Shade asked: This sounds like an awesome story! I'm confused by the use of 'their' instead of 'her' or 'him' though".
  48. "We created the first-ever searchable database of 259 LGBTQ characters in cartoons that bust the myth that kids can't handle inclusion". insider.com. June 2021. Retrieved 5 July 2021.